“I am hungry to make art”, an interview with Mussunda N’zombo Marta Lança, in Luanda

In this exclusive interview, Mussunda N'zombo talks about his iconic characters, the memories and influence of the twenty years spent in Germany, his adolescence and youth in Angola, and his performance, which he describes as 'high risk'.

EN | PT

Author: Marta Lança

 

In one word, how would you describe each of your characters?

Miguel Prince is a sex symbol, Mussunda N’zombo is patriotic, Mwata is eccentric, and Nguvulo is egocentric. 

 

Where did the idea of constructing heteronyms as an artistic narrative come from? 

I started with Miguel Prince, a character born in Germany in 1992 in a frenetic cultural and artistic environment that focused on the character of the musician Prince. Miguel was my name. The perception of my expression, appearance, and clothing were linked to the singer Prince. I perceived Prince in my body in terms of aesthetics and style. I then returned to Angola and entered a conflict of identity. 

 

Why? 

Because the Miguel Prince character was astonishing; a shock, both in the family environment and in the cultural-artistic climate, due to his queer side. 

 

Did you show extravagance in your style from an early age? 

The style comes from my adolescence. In my youth in Angola, I started out as a dancer in two dance groups directed by one of the greatest choreographers of his time, Tony Africa (now deceased). Practically, the construction was already in me, but it was in Germany that I found the freedom I needed because I was now much more independent. There I got the accessories and everything else I dreamed of to build the character of Miguel Prince. 

 

How were the twenty years you spent in Germany? 

Angola is my country in essence, but Germany is my country of choice. It’s my second home. In Germany I have a profound relationship, friendships, and it was there that my artistic process developed greatly. 

 

What did you work on during this period? 

I worked in the worlds of fashion, dance, telecommunications, and even gastronomy. In the cultural sector, I’ve had many invitations and opportunities. I left Luanda when I was 17, I stayed in Portugal for a year, France for a few months, and then finally in Germany, I got to know a society that, at the time, was experiencing the effects of the fall of the Berlin Wall. So there was now this flow of communities and cultures in one single Germany.

Mussunda N’zombo
Courtesy of the Artist
Mussunda N’zombo
Courtesy of the Artist

 

And you came from a country that was also “socialist”…

Yes, Angola was a socialist country allied with Eastern Europe and the Cold War. 

 

I remember your return to Angola, Miguel Prince was drawing attention at the time, but was well received. 

I was well received, but the shock was there. 

 

Is this because in Germany you would not be as exceptional, but in the context of Luanda, you felt the estrangement? 

Yes, because of the theme, the narrative, and the clothes I was wearing. I heard comments like “who is this crazy guy?”, “who is this gay that you brought here?”, and “does this guy really exist?” So in that sense, it was a conflict. 

 

And how was the character of Mussunda N’zombo, by which you are known today, born? 

He was born in 2017 from the photographic project “The last journey of the dictator Mussunda N’zombo before the last extinction” by Kiluanji Kia Henda. It appeared in Fuckin’ Globo in 2018 with the performance The Metamorphosis. But heteronyms were already part of my biography. By adopting this identity, I managed to create the perfect connection between Miguel Prince and Mussunda N’zombo, including in the relationship between Africa and the West. This is where subsequent characters like Mwata and Nguvulo Marimbondo came from. Mussunda is the father of them all. 

 

How would you explain Mussunda N’zombo in biographical terms? 

Mussunda means ‘the first’, and N’zombo means ‘twin’, therefore the first twin. I initially looked for an original name from my paternal side, but I couldn’t find one. So I asked my 75-year-old uncle, “What is the name of my grandfather or my great-grandfather?”, to which he answered, “Your grandfather is Miguel, we are from the Miguel Family.” No, I thought, that’s a colonizer’s name, the name of a settler who owns a farm, who probably beat us up. Who made us adopt their name because they could not pronounce African names, many people adopted Portuguese names by force. I also had Domingos Menezes as a surname; Menezes became a school and family name. Years later, at a cousin’s wedding, an aunt said “You’re Ngola Kiluanje’s great-great-grandson”, but in the artworld there are already many Kiluanjes, so I became Mussunda N’zombo, which comes from my maternal great-grandfather, Nzombo, of Kimbundo and Kikongo origin. If we look closely, Bengo is the closest city to Luanda and, at the same time, the closest to the north. It’s equidistant. 

 

And then you killed Miguel Prince? 

No, because Mussunda still has a duality of accessories with Prince, although, in style and clothing, it is something different to what I used as Miguel Prince. My latest attire has new details. But there was a break with Miguel Prince to focus on the appearance of his twin part, which is Mussunda N’zombo, that comes from the conflict experienced upon the return to Angola. 

 

Then you created Mwata as a metaphor for the traditional leaders? 

Mwata comes from a very traditional system, he was the leader of his community, soba, king, father, counselor, and conciliator, who eased the community’s problems. But after the independence, that changed. If he was respected before, nowadays, his name has lost its value and true meaning. The traditional leaders are not so traditional anymore, as they have a lot of modern and western influence. What interests me in working with these leaders is their abuse of authority in exercising power. 

 

The sobas used to be more autonomous, although they were instrumentalized during colonial times, today they are very partisan. 

They no longer have that autonomy. So I take Mwata in the sense of these new African characters. They are sometimes exaggerated, exuberant and excessive in what concerns their security, wastefulness, or the lust in which they live, which signals the lack of control concerning the distribution of illicit wealth. 

Mussunda N’zombo
Courtesy of the Artist

 

Broadly speaking, how do we distinguish Mwata from Mussunda? 

Mussunda is not the same person who plays Mwata or Nguvulo. You can’t have a dialogue or closeness with those characters. However, Mussunda is the most social character, perhaps he is also the most popular and has the least security and the least care. Mwata is the most superb, eclectic, and expensive of the distinct characters I play. He has a certain status for having already been present at a dinner with thirty personalities when German Chancellor Angela Merkel was in Angola or when he met the Vice-President of the Republic of Angola, Bornito de Sousa, during the handing over of the documental archive of Angolan artworks in German territory. Mwata has already given speeches to European diplomatic entities represented in Angola, as well as diplomats from other continents, and government members, where he was also invited to give a speech on Europe Day. In this speech, I called for better cooperation and equity in the relationship and collaboration between the two continents, without forgetting the help of the diplomatic bodies present to achieve the recognition, cataloging, and the handover of the art that belongs to the African continent. I continue to work on these characters and maintain a relationship with them, I follow what they think about Africa, namely in their work on the issue of the African Union. 

 

Based on these figures, you create a caricature of the power, the waste, the absurd, and show-off. Do you have any affection for them at all? 

I have created this caricature of power, I exert the waste, the absurd, and the banga. But it is not a question of affection, nor sympathy, and even less so about pleasure. Instead, I propose a political manifesto in the artistic sense. Sometimes it is explosive and dangerous to see the waste and carelessness in the distribution and spending of public money. I play with this absurdity, I include satire and humor in the works that I present. 

 

Which African figures do you draw inspiration from to create your characters? 

I work with people and images as inspiration. For example, Mobutu Sese Seko, who was one of the great figures of the African continent in the 1970s and 80s. In my portfolio I also have work based on leaders such as Muammar Kadafi, Patrice Lumumba, Thomas Sankara, Amin Dada, and Samora Machel. I am particularly interested in the positioning they all had as statesmen. In a specific format, I can even be inspired by them because of the boldness of their speeches and manifestos, but I try to approach or propose a discourse according to what I am living, what I am feeling, and what they might be thinking. The current African leaders have become puppets in the hands of the West, they no longer interest me as much. 

 

You also interpret Nguvulo Marimbondo, who is he? 

Nguvulo Marimbondo is a political character, but he focusses on internal affairs, concerning Angola’s political and financial management. 

 

Nguvulo is complicit in theft and corruption, yet he is also denouncing and asking back for what has been stolen. He is an ambiguous character.

The truth is that this ambiguity appears in the positions that I defend. When I denounce the system itself or the pact in which I was involved, it is also about patriotism. It’s reaching the position of these characters who were considered “marimbondos” (corrupt) by our politicians but who have the courage to denounce and collaborate with justice. In 2022, I dared to play the role of Nguvulo Marimbondo in Portuguese territory as part of the exhibition “Now that we found freedom, what are we gonna do with it?” at Hangar, in Lisbon. The performance “Salalé” translates the position of a “marimbondo” that comes to Portuguese territory to claim the goods that belong to the Angolan State, both tangible and intangible. So I went to Portugal to cooperate, negotiate and identify assets that are the fruit of our public heritage and pacts celebrated underground that I put into practice with the Portuguese and other entities. So, this boldness to arrive, identify, cooperate and denounce the location of these assets is an attitude that our leaders should have. I hope, I ask that they will. It’s the very least that they should do in their role as patriots, after the great embezzlement caused by a small group of individuals who practically displaced our international reserves and destroyed the Angolan financial system.

Mussunda N’zombo
Courtesy of the Artist
Mussunda N’zombo
Courtesy of the Artist

 

Nguvulo is a character that assumes his implication in all of this. 

The idea was that everything should be declared here in the national territory, as the courts requested, with a six-month moratorium for the declaration and handing over of the assets appropriated at the public’s expense. But, as many didn’t do it or comply, showing a certain resistance, I decided to roll my sleeves and help. I’m helping by denouncing. I am implicated, yes. None of them had this attitude of going and recognizing where they left off. I came to collaborate and negotiate, which is the result of my efforts. This should be the role of all of them, to say, “on my behalf, I declare myself, I can identify and collaborate.” This is a provocation behind that character. 

 

The common thread running through all of the heteronyms is the fact that they are characters linked to power. 

Power fascinates me. I graduated in International studies. I also wanted to study Political Science, I had already studied history a lot, I also lived next door to the Zairean embassy (D.R.C.), so I felt power at its extreme and the luxury that lived next door. We were constant guests and had access to the anniversary parties of the independence of the Republic of Zaire, where Angolan and foreign political entities would attend. It was the biggest festive and musical event of an embassy held in Angola, that of Zaire (Democratic Republic of the Congo). 

 

What really attracts you to power? 

What attracts me to power is the audacity of being able to do and undo. I don’t mean this in a totally political sense, but in an artistic sense, ironizing it through the powerful characters I play. I am attracted to feeling the positioning of the African leaders themselves. Perhaps, it is the audacity that attracts me. 

 

You describe that you do “high-risk” performance, why? 

When I suggest making a speech before the European Union in a frontal way, when I suggest making a speech in Lisbon demanding a limousine, a security team and all of the necessary care so that nothing happens to me. When I get on top of a car leaving downtown Luanda towards the Upper City Palace, which is an area of high military risk. When I challenge myself to stand in the middle of ten thousand bikers in the center of Lisbon and lie down on the ground risking being strangled. The challenge of taking a cage to downtown Luanda in the middle of rush hour and arguing with over five hundred people interpreting the position of our politicians who are full of luxury and perks, with the best champagne, and the best cognac. I am talking about a golden cage with all the finery, with lights as if it was a royal palace. It had diamond stone and a gold sink, 10 thousand euros worth of decorations alone. It’s those exaggerations; that provocative shock. And also, challenging those characters on platforms where I enter into discourse, with a certain authoritarianism. I am often unpredictable during performances. It’s a condition that neither my team nor I know what’s going to happen. I’m still determining how they’re going to capture the image. It’s happening. You have to be careful as the idea starts to distort. The very sense of my characters or performances being political also says something about the risk. 

Mussunda N’zombo
Courtesy of the Artist
Mussunda N’zombo
Courtesy of the Artist

 

Performance is a difficult genre to sell, but it gives you a lot of independence and allows for other things to be made. What do you think about that? 

It’s true that in Angola it is challenging to sell performances. But performance has also brought me other things. It lead me to work with photography, it also lead me to cinema, television, fashion, magazines, museums to distinct international platforms. I think I can say that I am a person who is happy with what I do. It’s true that I would like to make a living from performance, but because I am a multidisciplinary artist, I can also work with other artistic mediums. When I entered the art world, I didn’t come in hungry, and so far, I haven’t declared myself as hungry. But I am hungry to make art. That’s where I say that performance has given me these various possibilities to experiment and to act in the different mediums that I practice today, such as acting, installation, and so on. 

 

Collaborating with other artists is one of your lines of work. 

Yes, I have collaborated with different artists. To defend the last work I presented “Entities and Intertwined Identities, 2075”, the photo-calendar project and photographic exhibition that covers Angola, Cape Verde, Mozambique, and São Tomé. About twenty artists and thirty assistants collaborated with me, the twelve artists who later stayed on the project were Lee-bogotá, Rui Magalhães, Flávio Cardoso, Hélio Buite, Indira Mateta, Mwana Pwó, Coletivo Ibaku, Kiluanji Kia Henda, Bruno Fonseca, Osmar Edgar, and Artur Silva. In other works, I have collaborated with Kiluanji Kia Henda, Thó Simões, Ery Clever, Helder Filipe, G 80, Yonamine, and the Verkon collective. These experiences of sharing and collaborating have been both productive and progressive. The result of this are the works now spread all over the world. The collective exhibition Africa a State of Mind in San Francisco with “The Last Journey of the Dictator Mussunda N’zombo before the last extinction”. This collaborative work also took us to the Tate magazine in England. We have reached magazines like Vogue, Marie Claire, Umbigo, and many newspapers. We have works being defended and discussed in Universities as a subject of study. So I really need to be grateful for my collaborative work. 

 

Performance is an area that has the challenge to create embarrassment, which you have managed to do. However, people have become used to what they initially found strange. So how are you going to make it more, or continue to be inconvenient? 

The performance creates a provocation. It creates a shock, and sometimes that’s precisely the intention. One of the proposals that will happen, to be more inconvenient, is that Mussunda N’zombo will be a candidate for the municipality and later has the intention of running for the presidency of the Republic. I have already taken the first steps for the performance, which was presented in November, “The Speech About the State of the Nation Address 2075”. There I dress as the character of the Head of State elected in the 2072-77 legislature, so I’m already campaigning. Count me in, I just hope I’m not an inconvenient politician. 

 

The question of the project “Entities and Intertwined Identities” is knowing how will Angola be 53 years from now. What do you have to tell us? 

At the height of the 100th anniversary of Dipanda, national consolidation and presentation to the world as a multicultural nation with the motto “one people, one nation”, I think about how the Angolans of the future will be. Political-military, independent, petrodollars-dependent, what will our descendants be like? Around these, and other questions, runs this project of photo calendar, exhibition, and performance. 

 

How do you see your subjects and the people who idolize you? Are they naive or do they simply need a strong hand? 

We can consider these subjects, or the people that idolize, as somewhat naive because they tend to see me as being real, but what I present is not real. I manifest myself dressed as a politician. There is a certain naivety when I see these people idolizing me because I am not actually that character. I am not the politics they worship. 

Autora: Marta Lança

 

Como descreve, numa palavra, as suas personagens?

Miguel Prince é um sex symbol, Mussunda N´zombo é patriota, o Mwata é excêntrico e o Nguvulo é egocêntrico.

 

De onde veio a ideia de construir heterónimos como narrativa artística?

Comecei com o Miguel Prince, personagem que nasce na Alemanha em 1992, num ambiente artístico cultural frenético focado na personagem do músico Prince. A percepção da minha expressão, visualidade e indumentária estavam ligadas ao cantor Prince. Apercebe-mo do Prince no meu corpo, em termos de estética e de estilo. Regresso a Angola, e dá-se esse conflito identitário. 

 

Porquê? 

Porque a personagem Miguel Prince foi um espanto, um choque, tanto no meio familiar como no meio cultural-artístico, digamos que pelo seu lado queer

 

Desde cedo mostrava extravagância no seu estilo?

Em Angola, começo como dançarino em dois grupos de dança, dirigido por um dos maiores coreógrafos do seu tempo, o já falecido Tony África Praticamente, o estilo e a indumentária já vêm desde a adolescência em Luanda, mas é na Alemanha que encontro a liberdade que precisava. Estava mais solto, conseguia os acessórios e tudo o que sonhava para construir a tal personagem de Miguel Prince. 

 

Viveu vinte anos na Alemanha.

Angola é o meu país na essência, mas a Alemanha é o meu país de eleição, é a minha segunda casa. Lá tenho uma relação muito profunda, amizades, e foi lá que o meu processo artístico se desenvolveu muito. 

 

Em que trabalhou nesse período?

Estive no mundo da moda, no mundo da dança, no mundo das telecomunicações, da gastronomia, na área cultural, tive muitos convites e passagens. Saí de Luanda com 17 anos, fiquei em Portugal um ano, em França uns meses e na Alemanha conheço uma sociedade que, na altura, estava a viver os efeitos da queda do Muro do Berlim. Então havia esse fluxo de comunidades e culturas numa só Alemanha.

Mussunda N’zombo
Cortesia do Artista
Mussunda N’zombo
Cortesia do Artista

 

E vinha de um país que também era “socialista”…

Sim, Angola era um país socialista aliado do Leste europeu e da Guerra Fria.

 

Lembro-me do seu regresso a Angola, o Miguel Prince chamava a atenção.

Era bem acolhido, mas o choque estava lá. 

 

Porque na Alemanha não seria tão excepcional, e no contexto de Luanda sentia o estranhamento?

Sim, devido à temática, à narrativa e indumentária que trazia. Ouvia comentários “quem é esse maluco?”, “esse gay que vocês trouxeram aqui”, “esse gajo existe mesmo?”. Nesse sentido, foi um conflito.

 

E como nasce o Mussunda N’zombo pelo qual é hoje conhecido? 

Nasce no projecto fotográfico “A última jornada do ditador Mussunda N’zombo antes da última extinção”, de Kiluanji Kia Henda, em 2017, e aparece no Fuckin’ Globo, em 2018, com a performance A Metamorfose. Mas a questão dos heterónimos já faz parte da minha biografia. Ao ter adoptado esta identidade, consegui criar a ligação perfeita entre Miguel Prince e Mussunda Nzombo, inclusive numa metáfora da relação Ocidente e África. É daí que vêm as sequentes personagens, como o Mwata e o Nguvulo Marimbondo. O Mussunda é o pai delas todas. 

 

Como explica o nome de Mussunda N’zombo em termos biográficos?

Mussunda quer dizer o primeiro” e Nzombo o gémio”, portanto, o “primeiro dos gémios”. Inicialmente, procurei um nome original da parte paterna, mas a minha família não conseguiu situar-se, perguntei a um tio mais-velho: Qual é o nome do meu bisavô ou meu avô?”, ele disse O teu avó é Miguel, somos da família Miguel.” Eu achei “não, isso é nome de colono, talvez de dono de fazenda, que nos terá dado pancada, que nos obrigou a responder por um nome português”. Porque eles não conseguiam pronunciar os nomes africanos, então muita gente foi adquirindo nomes portugueses, à força. Também tinha Domingos Menezes como apelido, e Menezes ficou nome de escola e de família. Anos depois, no casamento de uma prima, uma tia disse:  “Tu és tetra-neto do Ngola Kiluanje”. Mas como no mundo das artes já há vários Kiluanjes, não avancei, e fiquei Mussunda Nzombo, que é originário do meu bisavô materno. N’zombo vem do kimbundo mas também existe em kikongo. Se virmos bem, o Bengo é a cidade mais próxima de Luanda, e equidistante do norte. 

 

E então matou o Prince?

Não, porque o Mussunda ainda tem dualidade de acessórios com o Prince. A minha nova indumentária tem novos pormenores, por exemplo o pano nunca usei como Miguel Prince. De facto houve uma ruptura com o Miguel Prince, para poder aparecer a sua parte gémea, o Mussunda N’zomba, que vem desse conflito no regresso a Angola.

 

Depois cria o Mwata como metáfora dos lideres tradicionais?

O Mwata vem de um sistema mesmo tradicional, era líder da sua comunidade, soba, rei, pai, conselheiro, conciliador das questões da sua comunidade. Mas depois da independência, isso muda. Se antes era respeitado, nos dias de hoje o nome de Mwata perdeu valor e o seu verdadeiro significado. Os líderes tradicionais já não são tão tradicionais, têm bastante influência moderna e ocidental. Mas o que me interessa, ao trabalhar com esses líderes, é o abuso da autoridade que eles praticam no exercício do poder.

 

Os sobas antes podiam ser mais autónomos, apesar de instrumentalizados no tempo colonial, hoje estão muito partidarizados.

Já não têm essa autonomia. Assim, levo o Mwata no sentido das novas personagens africanas. Por vezes exageradas, exuberantes e excessivas no que concerne à sua segurança, ao desperdício ou à luxúria em que vivem, assinalando o descontrolo quanto à partilha de riqueza ilícita.

Mussunda N’zombo
Cortesia do Artista

 

Em traços gerais, como distinguimos o Mwata do Mussunda? 

Não é o Mussunda que interpreta o Mwata nem o Nguvulo. Não se consegue ter um diálogo nem proximidade com essas personagens. Apesar de tudo, o Mussunda é a mais social, talvez também a mais popular, carece de menos corpos de segurança e de menos cuidado. De entre as distintas personagens que interpreto, Mwata é a mais soberba, mais eclética e mais dispendiosa. Tem um certo estatuto de Estado, por já ter estado presente num jantar entre trinta personalidades, quando a Chanceler Alemã Angela Merkel esteve em Angola, ou quando conviveu com o vice-presidente da República de Angola Bornito de Sousa, aquando da entrega do arquivo documental das obras angolanas em território alemão. O Mwata já discursou para entidades diplomáticas europeias representadas em Angola, diplomatas de outros continentes, e membros do governo onde também foi convidado para fazer um discurso no dia da Europa. Nele, defendi uma melhor cooperação e equidade na relação da cooperação internacional entre os dois continentes, sem esquecer a ajuda dos corpos diplomáticos presentes no sentido de fazer o reconhecimento, a catalogação e a entrega do acervo artístico pertencente a África. Vou trabalhando nessas personagens e mantenho uma relação com elas, acompanho o que pensam sobre África, nomeadamente no trabalho sobre a questão da União Africana.

 

A partir dessas figuras, faz uma caricatura do poder, do esbanjamento, do absurdo, do show of. Tem algum carinho por elas?

Faço essa caricatura do poder, exerço o esbanjamento, o absurdo, a banga. Vou jogando com esse absurdo, envolvo a sátira e o humor nos trabalhos que apresento. Não é uma questão de carinho, nem simpatia, e muito menos de prazer. Proponho antes um manifesto político, no sentido artístico. Por vezes, é explosivo e perigoso ver o esbanjamento em questões de valores, no descuido na partilha ou nos gastos do erário público.

 

Em que figuras africanas se inspira para criar as suas personagens?

Trabalho com pessoas e com imagens, como inspiração. Por exemplo, no Mobutu Sese Seko, uma das grandes figuras no continente africano nas décadas de setenta e oitenta. Também tenho trabalhos em carteira baseados em líderes como Muammar Kadafi, Patrice Lumumba, Thomas Sankara, Amin Dada e Samora Machel. Interessa-me o posicionamento que tiveram como estadistas. Num certo formato, posso até me inspirar neles, pela ousadia dos seus discursos e manifestos, mas tento abordar ou propor um discurso de acordo com o que eu vivo, o que eu sinto, o que é que eles poderiam pensar. Os atuais lideres africanos tornaram-se marionetes na mão do Ocidente, já não me interessam tanto.

 

E quem é o Nguvulo Marimbondo?

O Nguvulo Marimbondo é uma personagem política, mas para assuntos internos, no que concerne à gestão política financeira de Angola. 

 

Nguvulo é uma personagem ambígua. É cúmplice de roubos e corrupção, no entanto, está a denunciar e a pedir de volta aquilo que foi roubado. 

A verdade é que esta ambiguidade surge nos meus posicionamentos. Quando apareço a denunciar o próprio sistema ou o próprio pacto em que estive envolvido, trata-se também de patriotismo. É chegar à posição destas personagens, consideradas “marimbondos” (corruptos) por políticos nossos, mas que têm a coragem de denunciar e de colaborar com a justiça. Tive a ousadia de interpretar este papel do Nguvulo Marimbondo na exposição “Agora que temos a liberdade, o que é que vamos fazer com ela?” no Hangar, em Lisboa, em 2022. A performance “Salalé” traduz o posicionamento de um marimbondo que vem reclamar em território português os bens pertencentes ao Estado angolano, sejam eles corpóreos e incorpóreos. Então fui a Portugal cooperar, negociar e identificar bens que são fruto do nosso erário público e de pactos subterrâneos que eu próprio pus em prática com entidades portuguesas, e não só. Então, esta ousadia de chegar, identificar, colaborar e denunciar a localização desses bens, é uma atitude que os nossos governantes deviam ter. Espero eu, peço eu. Seria o mínimo a fazer no seu papel de patriotas, depois do grande desfalque provocado por um nicho de indivíduos que praticamente deslocaram as nossas reservas internacionais, e destruíram o próprio sistema financeiro angolano.

Mussunda N’zombo
Cortesia do Artista
Mussunda N’zombo
Cortesia do Artista

 

Então o Nguvulo assume a sua implicação nisso tudo. 

Estou implicado, sim. A ideia era que fosse tudo declarado aqui em território nacional como a Justiça pediu, com uma moratória de 6 meses para declaração e entrega dos bens apropriados a custo do erário público. Mas, como muitos não fizeram nem cederam, mostrando uma certa resistência, eu meti a mão, eu próprio estou a ajudar ao ir denunciar. Nenhum deles teve essa atitude de ir reconhecer onde deixou. Eu vim colaborar e negociar, o que é fruto do meu esforço. Isto devia ser o papel deles todos. Deviam dizer “em meu nome declaro-me, eu consigo identificar e colaborar.” Esta é a provocação por detrás dessa personagem. 

 

O fio condutor de todos os seus heterónimos é o facto de serem personagens ligadas ao Poder.

O Poder fascina-me. Sou formado em relações Internacionais, queria ter estudado Ciências Políticas. Já estudava muito a história, também morava ao lado da embaixada do Zaire (R.D.C) e senti o poder no seu extremo, ou a luxúria que vivia ao lado. Éramos convidados regulares e tínhamos acesso às festas de aniversário de independência da República do Zaire, onde apareciam entidades políticas angolanas e estrangeiras. Era o maior evento festivo e musical de uma embaixada residente em Angola, a do Zaire (República Democrática do Congo). 

 

O que realmente o atrai no poder? 

O que me atrai é a ousadia de poder fazer e desfazer, no sentido não totalmente político mas na vertente artística, ironizando através das personagens de poder que interpreto. Atrai-me sentir o posicionamento dos próprios líderes africanos. Talvez a ousadia seja o que me atrai mais.

 

Porque refere que faz performance “de alto risco”?

Quando me proponho a fazer um discurso perante a União Europeia de modo frontal, quando me proponho a fazer um discurso em Lisboa exigindo uma limusine, uma equipa de segurança e todos os cuidados necessários para que nada ocorra contra mim. Quando me meto em cima de uma viatura saindo da baixa de Luanda em direcção ao Palácio da Cidade Alta, que é uma área de alto risco militar. Quando me desafio a ficar no meio de dez mil motoqueiros em plena Lisboa e a deitar-me no chão e poder ser estrangulado. O desafio de levar uma jaula para a Baixa de Luanda em plena hora de ponta e discutir com mais de quinhentas pessoas, interpretando o posicionamento dos nossos políticos cheios de luxos e mordomias, com o melhor champanhe e o melhor conhaque. Refiro-me a uma jaula de ouro com todos os requintes, com luzes como se fosse um Palácio Real, com pedra diamante e pia de ouro. 10 mil euros só em decoração. São esses exageros e provocações. E também desafiar essas personagens em plataformas em que entro em discurso, com um certo autoritarismo. Na performance, muitas vezes sou imprevisível. É uma condição que, nem eu nem a minha equipa, sabemos o que vai acontecer. Nem sei como é que vão captar a imagem. É um happening. É preciso cuidado, a ideia começa a distorcer-se. O próprio sentido das minhas personagens ou performances, sendo políticas, também já alude ao risco.

Mussunda N’zombo
Cortesia do Artista
Mussunda N’zombo
Cortesia do Artista

 

A performance é um género difícil de vender, mas dá muita independência. O que pensa sobre isso?

É verdade que em Angola é difícil vender performances. Mas a performance também me trouxe outras coisas. A performance levou-me a trabalhar com fotografia, a performance levou-me ao cinema, à televisão, levou-me à moda, a performance levou-me a revistas, levou-me a museus, a distintas plataformas mundiais. Acho que posso dizer que sou uma pessoa contente com o que faço, gostaria de viver da performance, é verdade, mas também por ser um artista multidisciplinar consigo trabalhar também com outras disciplinas artísticas. Quando entrei no mundo da arte não entrei com fome. E até ao momento ainda não declarei fome. Mas estou com fome de fazer arte. É aí que digo que a performance me deu essas várias possibilidades de experimentar e de atuar nas distintas disciplinas que hoje pratico, como representação, instalação e por aí a fora.

 

A colaboração com outros artistas é uma das suas linhas de trabalho.  

Sim, Tenho colaborado com diferentes artistas. Para defender o último trabalho que apresentei “Entidades e Identidades Entre cruzadas, 2075″, o projeto foto-calendário e exposição fotográfica que abrange Angola, Cabo Verde, Moçambique e São Tomé. Colaboraram comigo cerca de vinte artistas e cerca de trinta assistentes, entre doze artistas que depois ficaram no projeto, Lee-bogotá, Rui Magalhães, Flávio Cardoso, Hélio Buite, Indira Mateta, Mwana Pwó, Coletivo Ibaku, Kiluanji Kia Henda,  Bruno Fonseca, Osmar Edgar e Artur Silva. Em outros trabalhos tenho colaborado com Kiluanji Kia Henda, Thó Simões, Ery Clever, Helder Filipe, G 80, Yonamine, o colectivo Verkon. Esta partilha tem sido produtiva e progressiva. O fruto são os trabalhos que estão espalhados por várias partes do mundo. A exposição coletiva África a State of Mind em São Francisco com “A Última Jornada do Ditador Mussunda N’zombo antes da última extinção”. Agora também esse trabalho colaborativo que nos levou à revista Tate de Inglaterra. Chegámos a revistas como a Vogue, Mairie Claire, Umbigo e muitos jornais. Temos trabalhos a ser defendidos e discutidos em Universidades como matéria de estudo. Então preciso mesmo de agradecer o trabalho colaborativo que tenho feito.

 

A performance criar constrangimento. Entretanto, as pessoas já se foram habituados àquilo que no início estranhavam. Como continua a ser provocativo e inconveniente?

A performance cria uma provocação, cria um choque e, por vezes, a intenção é mesmo essa. Uma das propostas que vai acontecer, para ser mais inconveniente, é que Mussunda N’zombo será candidato à autarquia e tem, posteriormente, a intenção de candidatar-se à presidência da República. Já dei os primeiros passos na performance que foi apresentada em novembro, “O Discurso Sobre o Estado da Nação 2075”. Nela, visto a a personagem de Chefe de Estado eleito na legislatura de 2072-77, então já estou a fazer campanha. Contem comigo, só espero que não seja um político inconveniente.

 

A pergunta do projeto “Entidades e Identidades Entrecruzadas” passa por saber como será Angola daqui a 53 anos. O que nos tem a dizer?

No auge do centésimo aniversário da Dipanda, da consolidação nacional e de apresentação ao mundo como uma nação multicultural que tem como lema “um só povo uma só nação”, penso como serão os angolanos do futuro. Político-militares, independentes, petrodólares-dependentes, como serão os nossos descendentes? É em torno destes e de outros questionamentos que decorre este projecto de foto-calendário, exposição e performance.

 

Como vê os seus súbditos e as pessoas que o idolatram? São ingénuos ou simplesmente precisam de uma mão forte? 

Os súbitos, ou as pessoas que idolatram tendem a ver em mim o real, mas o que eu apresento não é real. Manifesto-me revestido de um político. Há uma certa ingenuidade nessas pessoas a idolatrarem, porque eu não sou esse personagem, não sou esta política que eles idolatram. Mas faz parte do jogo. 

Share this article:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Art and ideas
in your inbox.

SEARCH

This site uses essential cookies, analytical and social cookies so that you can enjoy all the features and have a good browsing experience.